A FUNÇÃO E A FORMA DAS ESTRUTURAS SOCIETÁRIAS NO BRASIL: O CASO DOS CONSELHEIROS INDEPENDENTES

Luciana Tasse Ferreira

Resumo


Tendo em vista a característica influência do controlador nas companhias brasileiras, o objetivo do trabalho é analisar o caso da estrutura do conselheiro independente à luz da construção teórica de Calixto Salomão (2011) acerca da desarmonia entre estrutura e função existente no direito societário nacional. Neste sentido, analisa-se a estrutura formal da administração das companhias, seguida da apreciação teórica acerca daquela que se identifica como uma disfunção societária, relacionada à persistente centralização de poder na figura do controlador. Finalmente, aborda-se a importância da estrutura do conselheiro independente e sua defasagem de operacionalização efetiva, mesmo nos níveis diferenciados da BM&FBOVESPA, com base nos dados divulgados em pesquisa empírica realizada por Gelman (2012), à luz do marco teórico adotado. A metodologia adotada no estudo foi a pesquisa qualitativa, pelo método dedutivo de análise de conteúdo.


Palavras-chave


administração societária; conselheiro independente; acionista controlador

Texto completo:

VER EM PDF

Referências


BETTARELLO, Flávio C. Governança corporativa: fundamentos jurídicos e regulação. São Paulo: Quartier Latin, 2008.

BRUGNI, Talles V. Análise das características dos conselhos de administração no mercado acionário brasileiro. 2012. 102 p. Dissertação –

Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

EIZIRIK et. al. Mercado de Capitais: Regime Jurídico. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

FILHO, Oscar Barreto. Estrutura Administrativa das Sociedades Anônimas. Revista de Direito Mercantil, n 24, ano XV (nova série), 1976.

GELMAN, Mariana O. O Conceito de Conselheiro Independente Vigente na Regulamentação dos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da BM&FBOVESPA. 2012. 256p. Dissertação – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

GORGA, Érica. Direito Societário Atual – Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

GROSVOLD, J. Where are all the women? Institucional context and the prevalence of women on the corporate board of directors. 2009. 282p. Tese - University of Bath, School of Management, July 2009.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. 4ª ed., 2010.

PARENTE, Maria A.L.S. A Diversidade de Gênero nos Conselhos de Administração e a sua Relação com os Resultados nas Empresas Cotadas na Euronext Lisbon. 2013. 49p. Dissertação – Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa, 2013.

SALOMÃO FILHO, Calixto. O novo direito societário. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Malheiros, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.