AS VIOLAÇÕES AOS DIREITOS INDÍGENAS NOS 30 ANOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

Antonio Armando Ulian do Lago Albuquerque

Resumo


Este estudo objetiva apresentar um quadro comparativo das violações aos direitos indígenas compreendidos na linha histórica dos anos de 2012 a 2017, tendo por referência os Relatórios do Conselho Indigenista Missionário (CIMI). Inclui-se nesse panorama levantamento de todas as Propostas de Emendas à Constituição (PECs) junto à Câmara Federal. As PECs foram buscadas junto ao sítio da Câmara Federal a partir do unitermo “indígenas”, no período compreendido entre 1988 a 2018. Em hipótese afirma-se que o Legislativo Federal produz discussões jurídicas que afrontam a Constituição ao suprimir direitos indígenas, consistindo numa violência neocolonial legislativa. Realizou-se análise de conteúdo das justificativas agrupando-as em torno da situação de trâmite e da matéria legislada, tendo por suporte teórico a interpretação constitucional do art. 5º, parágrafo segundo da Constituição Federal combinado com o Decreto Executivo 5.051/2004, subjazendo na discussão a etnodemocracia pluralista de Albuquerque (2017) ao nuclear a compreensão a partir da diversidade cultural. As atividades legislativas, na espécie PEC, têm produzido propostas afrontadoras da Constituição Federal em relação à proteção das terras indígenas, por exemplo, ao pleitear a alteração do procedimento demarcatório do Executivo para o Legislativo.

Palavras-chave


Povos Indígenas; Violência; Direitos Fundamentais; PECs

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Antonio Armando Ulian do Lago. Multiculturalismo e direito à autodeterminação dos Povos Indígenas. Porto Alegre: SAFE, 2008.

ALBUQUERQUE, Antonio Armando Ulian do Lago. Etnodemocracia brasileira: ampliação democrática do sistema representativo. Revista Amazônia Legal de Estudos Sócio-Jurídico-Ambientais (UFMT), v. 6, jan.-jun., Cuiabá: EdUFMT, 2015, p. 155-182.

ALBUQUERQUE, Antonio Armando Ulian do Lago. Comparação entre a participação indígena boliviana e brasileira: a inserção da atuação indígena brasileira no debate democrático e decolonial latino-americano. 2017. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciência Política). Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017, 328f.

BOLSONARO, Jair Messias. Entrevista à Datena, Brasil Urgente, em 05 novembro de 2018, 22’45’’aos 24’43’’. Transcrição de Antonio Armando Ulian do Lago Albuquerque (2018). Disponível em: . Acesso: 05 nov. 2018.

BONAVIDES, Paulo. Do país constitucional ao país neocolonial: a derrubada da Constituição e a recolonização pelo golpe de estado institucional. São Paulo: Malheiros, 2001.

BONAVIDES, Paulo. As bases da democracia participativa. Disponível em: . Acesso: 09 nov. 2015.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Programa de Aceleração do Crescimento: 7° balanço 2015-2018. Brasília: Ministério do Planejamento, 2018.

BRASIL, Constituição da República Federal do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Câmara Federal. Disponível em: http://www.camara.leg.br/buscaProposicoesWeb/pesquisaAvancada>. Acesso: 16 out. 2018.

BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Regimento interno da Câmara dos Deputados. 15. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015. (Série textos básicos, n. 103).

BRASIL, STF - Supremo Tribunal Federal (2009). “Inteiro teor do Acórdão”. Plenário Embargos de Declaração na Petição n. 3.388 Roraima. Disponível em: . Acesso: 19 out. 2018.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito constitucional e Teoria da Constituição. 6 ed. Coimbra: Almedina, 2002.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2017. RANGEL, Lúcia Helena (Coord.). Brasília: CIMI, CNBB, 2018.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2016. RANGEL, Lúcia Helena (Coord.). Brasília: CIMI, CNBB, 2017.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2015. RANGEL, Lúcia Helena (Coord.). Brasília: CIMI, CNBB, 2016.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2014. RANGEL, Lúcia Helena (Coord.). Brasília: CIMI, CNBB, 2015.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2013. RANGEL, Lúcia Helena (Coord.). Brasília: CIMI, CNBB, 2014.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2012. RANGEL, Lúcia Helena (Coord.). Brasília: CIMI, CNBB, 2013.

CUNHA, Manuela Carneiro. O futuro da questão indígena. Estudos avançados, v. 8, n. 20, 1994.

CUNHA, Manuela Carneiro; BARBOSA, Samuel. Direito dos povos indígenas em disputa. São Paulo: UNESP, 2018.

DELGADO, Paulo Sergio; ROSA, Juliana Cristina. A controvérsia jurídica sobre a tese do marco temporal e o conceito de renitente esbulho sob o olhar empírico: os Xavante e a TI Marãiwatsédé. ACENO-Revista de Antropologia do Centro-Oeste, v. 4, n. 8, 2018.

LAFER, Celso. A internacionalização dos Direitos Humanos: Constituição, racismo e relações internacionais. São Paulo: Manole, 2005.

LUÑO, Antonio Henrique Pérez. Derechos Humanos, Estado de derecho y Constitucion. Madrid: Tecnos, 1999.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro. (Org.). História dos índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

RANGEL, Lucia Helena; LIEBIGOTT, Roberto Antonio. O governo Temer legitimou a violência contra os povos indígenas. In: CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2017. Brasília: CIMI, CNBB, 2018.

REIS, Isaac Costa. Limites à legitimidade da jurisdição constitucional: análise retórica das cortes constitucionais do Brasil e da Alemanha. 2013. 265 f. Tese (Doutorado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Centro de Ciências Jurídicas / FDR, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998.

SILVA, Christian Teófilo. A homologação da terra indígena raposa/serra do sol e seus efeitos: uma análise performativa das 19 condicionantes do STF. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 98. São Paulo, 2018. Disponível em: . Acesso: 30 out. 2018.

STAVENHAGEN, Rodolfo. Los Pueblos indígenas y sus derechos. México: UNESCO, 2008.

TAVARES, André Ramos. Reforma do Judiciário no Brasil pós-88: (Des)estruturando a Justiça. São Paulo: Saraiva, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.