CAPACITAÇÃO DE AGENTE MULTIPLICADOR PARA ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EM VIVEIROS FLORESTAIS

Ivan da Costa Ilhéu Fontan, Gracielle Maria Pereira Reis, Patrícia Lage

Resumo


O presente trabalho é um relato das experiências vividas na execução do projeto Capacitação de agente multiplicador para atuar em ações de assistência técnica e extensão rural em viveiros de produção de mudas florestais nativas, cujo objetivo foi promover a formação e capacitação de recursos humanos aptos a trabalharem como agentes de assistência técnica e extensão rural em viveiros florestais.

Palavras-chave


capacitação; agente multiplicador; viveiro florestal

Texto completo:

PDF

Referências


BRANCALION, P. S.; RODRIGUES, R. R.; GANDOLFI, S. Restauração florestal. 1. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2015. 432 p.

BRASIL. Lei nº 8.345, de 23 de dezembro de 1991. Dispõe sobre a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) nos termos do art. 62 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8315.htm>.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: .

BRASIL. Lei nº 12.188, de 11 de janeiro de 2010. Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária - PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária - PRONATER, altera a Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Disponível em: .

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável: metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Garamond. 2ª edição, 2002, 177 p.

CAPORAL, F. R.; RAMOS, L. F. Da extensão rural convencional à extensão rural para o desenvolvimento sustentável: enfrentar desafios para romper a inércia. In: MONTEIRO, D.; MONTEIRO, M. Desafios na Amazônia: uma nova Assistência Técnica e Extensão Rural. Belém: UFPA, 2006. Disponível em: < https://socla.co/wp-content/uploads/2014/Da-Extenso-Rural-Convencional-Extenso-Rural-para.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2017.

CORREIA, C. J. S. O projeto sala verde em União dos Palmares/AL: possibilidades e desafios de um centro de referência em educação ambiental. Ambiente e Educação, Rio Grande, v. 17, n. 2, p. 79–92, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2018.

CORREIA, A. C. G.; SANTANA, R. C.; OLIVEIRA, L. R.; TITON, M.; ATAIDE, G. M.; LEITE, F. P. Volume de substrato e idade: influência no desempenho de mudas clonais de eucalipto após replantio. Cerne, v. 19, n. 2, p. 185-191, 2013. Disponível em: . Acesso em 29 jan. 2018

CRUZ, C. A.; MELO, I. B. N; MARQUES, S. C. M. A educação ambiental brasileira: história e adjetivações. Revbea, São Paulo, v. 11, n.1, p. 183-195, 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 jan 2018.

DAVIDE, A.C.; SILVA, E.A.A. (ed). Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: Ed. UFLA, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

JACOBI, P. R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2., p. 233-250, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2018.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Educação Ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. p. 73-104. In: Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. LOUREIRO, C.F.B; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R.S. (Org.). 5ª Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, S. C.; AMARAL, R. Agroecologia e alimentos sustentáveis desde a perspectiva do trabalho da Assistência Técnica e Extensão Rural. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2017.

MARQUES, M. L. A. P.; SILVA, A. F.; ARAÚJO, J. E. Q.; QUEIROZ, T. H. S.; ALMEIDA, I. D. A.; MARINHO, A. A. A educação ambiental na formação da consciência ecológica. Cadernos de Graduação, Maceió, v. 1, n. 1, p. 11-18, 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 abr 2018.

MELO, F. P. L.; PINTO, S. R. R.; BRANCALION, P. H. S.; CASTRO, P. S.; RODRIGUES, R. R.; ARONSON, J.; TABARELLI, M. Priority setting for scaling-up tropical forest restoration projects: early lessons from the atlantic forest restoration pact. Environmental Science & Policy, 33: 395-404, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 fev 2018.

MORAIS, J. L.; CANEDI, P. L. R.; CORTELAZZO, I. B. C. Educação Ambiental na prática pedagógica de professores participantes de um curso de extensão em Educação Ambiental, modalidade blended learning Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient, v. 32, n.2, p. 380-396, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

OLIVEIRA, M. N. S. A. Formação de técnicos e extensionistas rurais no contexto do desenvolvimento rural sustentável e da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. 2012. 271 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2012.

OLIVEIRA, M. L. R. Reflexões sobre o uso de metodologias participativas como instrumento de trabalho em comunidades rurais. Em Extensão, Uberlândia, v. 14, n. 1, p. 30–51, 2015. Disponível em: < http://www.posextensaorural.ufv.br/wp-content/uploads/2018/02/Artigo-metodologias-participativas.pdf >. Acesso em: 10 fev. 2018.

OLIVEIRA, M. C.; OGATA, R. S.; ANDRADE, G. A.; SANTOS, D. S.; SOUZA, R. M.; GUIMARÃES, T. G.; SILVA JÚNIOR, M. C.; PEREIRA, D. J. S.; RIBEIRO, J. F. Manual de viveiro e produção de mudas: espécies arbóreas nativas do Cerrado. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, 2016, 128 p.

SENAR MINAS. Atuação em Minas. Disponível em: . Acesso em: 30 de abr. 2018.

SILVA, A. P. M. et al. Diagnóstico da produção de mudas florestais nativas no Brasil. Brasília: IPEA, 2015. 58p. (Relatório de Pesquisa). Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

SOARES-FILHO, B.; RAJÃO, R.; MACEDO, M.; CARNEIRO, A.; COSTA, W.; COE, M.; ALENCAR, A. Cracking Brazil's forest code. Science, v.344, n.6182, p. 363-364, 2014.

STEFANES, M.; OCHOA-QUINTERO, J. M.; ROQUE, F. O.; SUGAI, L. S. M.; TAMBOSI, L. R.; LOURIVAL, R.; LAURANCE, S. Incorporating resilience and cost in ecological restoration strategies at landscape scale. Ecology and Scociety, 21(4): 54, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jan 2018.

TRENTIN, B. E.; ESTEVAN, D. A.; ROSSETTO, E. F. S.; GORENSTEIN, M. R.; BRIZOLA, G. P.; BECHARA, F. C. Restauração florestal na Mata Atlântica: passiva, nucleação e plantio de alta diversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, p. 160–174, 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cflo/v28n1/1980-5098-cflo-28-01-160.pdf >. Acesso em: 10 maio 2018.

TRINDADE, C.; JACOVINE, L. A. G.; REZENDE, J. L. P.; SARTÓRIO, M. L. Gestão e controle da qualidade na atividade florestal. 2. ed. Viçosa: Editora UFV, 2017. 273 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.